Archive for the 'Mini' Category

28
Mar
10

Mini Moke

Recentemente um irmão maluco fez uma aquisição arrojada…

Não é por acaso também.
Há história familiar de um em férias no Porto Santo, muito semelhante a este:

Sinceramente, e já passei a mensagem pessoalmente, não é o tipo de carro que me desperta paixão. Já o escrevi aqui, “creio que TODOS os carros têm lugar na história, cada qual pelas suas razões, mas acho que se fazem muito bons carros hoje em dia, bem melhores que noutro tempo e apesar de apreciar um “sem-número” de clássicos não sinto grande ligação com os carros antigos.”
Passado o impacto inicial, tive oportunidade de experimentar o Moke, por duas vezes. Na primeira, muito muito curta, fez-me impressão a falta de travões e não conseguir encontrar a terceira velocidade… Absorvi-me tanto nesses factos e na pressa que tinha que achei tudo demasiado rude para ser apreciável.

Segunda experiência. Sozinho com o carro para dar uma volta pela cidade.
O motor do Moke é impressionante por não andar muito depressa, mas ter sempre montes de disponibilidade para andar. Em recta, parece andar mesmo muito bem, muito dado ao vento que vai passando pelo “habitáculo” e pela forma tão “primitiva” de ligação à estrada. Em subidas notam-se as limitações, mas nunca lhe falta fôlego.
Os travões, com tambores nas quatro rodas são obviamente um ponto fraco, ou não se teria em todos os carros hoje em dia pelo menos um eixo com discos, mas a verdade é que, ao contrário da minha primeira impressão, não comprometem, desde que se ande com os devidos cuidados.
Lá descobri a terceira e também que quanto mais se procura as velocidades, menos as encontramos. Basta agir naturalmente que elas aparecem. é mesmo assim.

Se pensasse bem tinha de o esperar, mas o que mais me impressionou foi o comportamento do carro que é fantástico! É óbvio que não andei a fazer rampas com ele, mas a agilidade em curva na cidade e subidas que tive que passar não escondem o chassis do Mini original.
A posição de condução e os bancos não são os melhores, mas estamos ali em contacto com tudo o que está a acontecer e isso tem o seu gozo.

Enfim. Depois de uma voltinha e de ter um par de turistas e fazer sinais em como o carro era porreiro lá percebi que o Moke é uma forma de estar. É um espírito. E tem a sua piada, mais do que a que eu lhe atribuía.
Depois é prático como tudo. como nem vale a pena se por a fechar aquilo, é só saltar lá para dentro e arrancar (bom, isto quando não está chuva, que é uma experiência que eu certamente dispenso com um Moke, eheheh)

Mas… Caramba! Aguçou-me a vontade de longa data de experimentar um Mini original…

Anúncios
25
Mar
08

Cooper S JCW VS Clio RS Cup

Já percebi que vem muita gente bater aqui ao meu sítio por causa do Renault Clio III e, hoje, terão mais um “doce”, como eu tive.

mini_clio.jpg

Este fim de semana, no programa Fifth Gear o grande malabarista Tiff Needell e o Jason Plato (que para além destas “brincadeiras” também é piloto da SEAT no BTCC) fizeram uma pequena disputa entre o sempre aclamado Mini Cooper S Jonh Cooper Works VS o Clio RS Cup. Mesmo sem contabilizar o resultado (que eu já esperava…) escolheria sempre o Clio!!

Só para disfrutar! Já faz parte dos meus favoritos no Youtube, claro…

01
Mar
08

Fiat 500 VS Mini One

…na senda do Fiat 500, aqui fica um vídeo de um confronto em pista entre o actual 500 mais vitaminado – um 1.4 com 100cv já utilizado no panda (não em Portugal) e o mini one.

Faz realmente ficar a pensar que o Abarth será ainda melhor que eu esperava…

25
Maio
07

Economias de escala e Ambiente

Uma economia de escala “(…)ocorre quando a expansão da capacidade de produção de uma empresa ou indústria provoca um aumento na quantidade total produzida sem um aumento proporcional no custo de produção. Como resultado, o custo médio do produto tende a ser menor com o aumento da produção.” (in wikipedia)

E o que é que isto tem a ver com o Ambiente? (e com o mundo automóvel… que é o que aqui se fala) Tudo!

Quanto mais a Indústria investir na investigação e implementação de medidas para redução de emissões ou de consumos, mais barato ficará a longo prazo, especialmente porque terão inevitavelmente que o fazer.

A BMW e Mini acabam de dar um excelente exemplo.

mini
Foto e fonte: Carscoop

Com três tecnologias, já utilizadas em alguns outros modelos – portanto já não são grandes novidades para as quais tenham sidos necessários grandes investimentos de Investigação & Desenvolvimento – conseguem reduções entre os 7,2 e os 11,9% nos emissões de poluentes e entre 6,5% e 12,8 nos consumos!

Para a renegeração da energia de travagem é utilizado um alternador inteligente (Intelligent Alternator Control – IAC) e uma bateria (Absorbent Glass Mat – mais cara, mas mais durável quando sujeita aos elementos) que reutiliza energia que perderia. Enquanto que numa configuração tradicional o alternador “puxa” a energia do motor, o alternador inteligente reduz a carga sobre o motor porque carrega a bateria a partir da energia cinética de uma travagem ou de uma descida inclinada.

A função “Start-Stop”, apenas disponível nos carros com transmissão manual, desliga o motor quando está em “ponto morto” (este sistema pode ser desactivado).

O mostrador de “ponto de troca de caixa” ajuda o condutor a escolher a relação de velocidade mais económica em cada momento da condução ao avaliar a velocidade, situação em que o carro está e posição do acelerador. A relação de caixa ideal é indicada ao condutor através de um número no cockpit do carro.

Os novos BMW Série 1 já todos saem da linha de montagem com estas melhorias de eficiência, os Mini, a partir de Agosto e com toda a certeza se seguirão os restantes BMW’s. Assim, e voltando às economias de escala, a curto-médio prazo estes custos se diluirão nos custos totais de produção.

Curiosa foi também a referência da BMW para o facto de que estas “inovações” não necessitam de baterias (“No bateries required”) já que também já se percebeu que os híbridos também têm as suas falhas.

10
Abr
07

“Revivalismos”

A VW inaugurou este “conceito” na era automóvel moderna -> Ao fazer retornar à vida um grande ícone do passado. O original “beetle” foi construído entre 1938 e 2003 (em alguns países da América do Sul) e foi um sucesso. Era o carro do povo.
Não sei o que pensaram quando trouxeram o carocha de volta à vida em 1998.
vw

Fizeram um carro mal construído, mesmo comparando com a qualidade geral dos VW actuais, com fracos motores e que, do conceito original (preço inclusivé) apenas tinha uns ares exteriores semelhantes…

A BMW, numa estratégia que pareceu deliberada, adquiriu a Rover, e depois desfez-se (em boa altura… o que veio depois para essa marca foi sempre a descer) mas mantiveram a marca MINI. Mas o que veio depois foi o melhor.
Planearam um carro que se manteve fiel ao conceito original, com o devido toque de modernidade, ou seja, (não tão…)pequeno, com as rodas “nos cantos” da carroçaria, motor à frente, detalhes interiores muito “revivalistas” (lá está…), um comportamento dinâmico exemplar e até o motor com compressor tinha um som a fazer lembrar o “matraquilhar” dos motores antigos. As versões (ainda mais) desportivas, cooper e cooper S foram um sucesso!

– É um carro que apela aos antigos donos de minis, que agora estão em fase de ter dinheiro para comprar o carro caro que é;
– É um carro que agrada os jovens porque é “raçudo”, potente, e pode ter um monte de “gadgets” que agradam a qualquer um;
– É um carro que agrada os mais poupados porque fizeram uma versão diesel;
– É um carro que agrada mulheres, normalmente mais distraídas para o mundo automóvel, porque atrai atenções e “é giro”.

Com tudo isto… já produziram 1 Milhão de “novos” minis…
mini1KK
(o carro 1.000.000 – fonte: Motorpasion)

Não gosto do Beetle;
Gosto muito do Mini;
e gostei deste:

500_01

500_02

A FIAT tem me surpreendido nos últimos tempos…
O novo patrão parece que vai finalmente tirar a marca “da fossa”, e este poderá ser o passo determinante para tal.
Fizeram um carro muitíssimo semelhante ao original, inclusivamente no mini tamanho, “revivalista” q.b. por dentro e por fora, giro e com potencial para bons resultados comerciais.
Os mais recentes FIAT’s têm sido um pouco melhores em fiabilidade e os motores e qualidade de construção têm também evoluído bastante.
Se tiveram, de facto, uma preocupação especial em que, este, seja “diferente” dos restantes FIAT, então, poderemos ter um grande carro.

Aguardemos. Espero com expectativa, daí a inclusão no meu mundo automóvel.

Mais fotos (em grandes resoluções) do Fiat 500 em www.carwalls.com.
Alguns links interessantes:
VW beetle
Mini
Fiat 500.

Este também justifica parte do meu interesse 🙂
500_abarth
É um esboço do que poderá ser uma versão Abarth, como o original, mais performante. Com os motores que a FIAT tem anunciado ultimamente poderá ser um 1.4 Turbo com mais de 140cv…
Foto: www.infomotori.co.uk