Archive for the 'Desportivas' Category

17
Jan
10

Eu? estrela?…

A minha prestação

Como referi, nunca conduzi um carro de ralis. Na verdade, creio que provavelmente ainda se contam pelos dedos o número de carros com mais de 100cv que já conduzi, mas como a vontade de me divertir, aproveitar ao máximo a oportunidade de aprendizagem e me aproximar desta realidade que muito gosto, não foi isso que me causou problemas.
Fiz 3 sessões de qualificação no Sábado, todas de três voltas (1 lançada e duas de tomada de tempos) e todas com o Miguel Nunes no banco da direita, o que veio a se revelar fundamental.


Nesta foto, sou mesmo eu a conduzir.

A minha primeira preocupação foi levar a “burrinha” inteira até ao final, sem penalizações por excessos ou subida de correctores e no fundo ficar a conhecer melhor as reacções do Starlet.
Fiquei logo impressionado com a velocidade que ele ganha em muito pouco espaço, com o tacto do travão, perfeito para travagem com pé esquerdo – que verifiquei ser fundamental para conseguir “fazer tempos” – assim como com a tracção que se tem à saída das curvas, por causa do autoblocante (mesmo em seco e com pneus de estrada pude confirmar que se nota e muito a diferença).
Fui conhecendo melhor o trajecto, reacções do carro, os melhores ângulos de ataque das curvas e pontos de travagem.
Tive direito a um elogio estranho (dado o tempo que fiz 🙂 ) do Miguel Nunes, que me disse que achava que eu tinha potencial para melhorar bastante.
Fiz “1:09:qq coisa”, que só ficou entre os 10 primeiros enquanto apenas 11 pessoas tinham feito tempos…
A maioria já andava no segundo 4…
Adiante.

À segunda tentativa, que já tinha planeado, o Miguel começou logo a dar umas dicas, “faz a chicane mais a direito”, “vira menos nas curvas, acelera mais cedo e deixa o autoblocante fazer o resto”, “acelera aqui”, “dá-lhe”…
Como ele conhece muito bem o carro e também a pista foi dando dicas nos sítios certos, o que me fez baixar o tempo para “1:05:1 e qq coisa”. Aprendi mesmo muito. Entrei para os 10 primeiros e lá estive algum tempo. Depois estive com um pé fora e um dentro pois estava em 10º, com o mesmo tempo que outra pessoa, mas não tardou saltei fora de novo…


Nesta também…

Passei algum tempo a me torturar sobre a possibilidade de entrar de novo… O “bichinho” pegou mesmo… Não sabia (tinha dúvidas mesmo) se conseguiria baixar mais um segundo mas depois de muito adiar, lá me meti para mais uma sessão de três voltas.
Quando o Miguel me viu a entrar no carro, disse-me “tens que entrar nos 10 primeiros, vamos!”.
Voltou a dar muito incentivo e dicas para andar cada vez mais depressa!
Na primeira volta de lançamento comecei logo a tentar ir mais longe em cada uma das curvas, mas na segunda volta senti que comecei a ir longe de mais e ansioso. Em fracções de segundo “abrandei” o ritmo e tentei seguir todas as dicas do Miguel. A terceira volta desta sessão foi a que me senti melhor todo o fim de semana.
Quando cheguei e me disseram que tinha subido a 4º, com “1:04:qq coisa” não queria acreditar…

Daí até ao final do dia, o meu tempo ainda desceu até 8º, mas mantive uma posição nos 10 primeiros o que carimbou a minha presença na semi-final.

Hoje (domingo) ainda tive direito, antes da minha entrada na semi-final, a tempo de antena (pelo menos para a câmera) de um programa da RTP-Madeira, o que não pode ser bom… 🙂
De qualquer forma, já dá para um tipo se ir habituando à pressão e exposição destas coisas. 🙂

Não estava nervoso, até porque se no primeiro dia não tinha corrido mal, não era à segunda que ia correr mal (ganhar não esperava mesmo, por isso, tranquilo) mas senti que a minha prestação foi mais instável e menos “perfeitinha”. Falhei algumas linhas de entrada em curva e o carro estava diferente, penso que principalmente porque o asfalto estava quente e porque os pneus já estavam a dar de si. Mesmo assim, em alguns pontos da pista, senti que melhorei.
O que nunca achei foi que fosse melhorar o meu tempo, mas isso veio a acontecer.
Baixei ainda para “1:03:qq coisa”, o que me deu o 8º lugar. Não fui o último… 🙂

De resto, vibrei com a final, e fiquei contente pelos três finalistas.
Não há dúvidas que o merecem, são todos três grandes pilotos, e tenho a certeza que vão aproveitar ao máximo os excelentes prémios que vão receber.
Godspeed“!

Curioso foi também conhecer (e saber que existe tal coisa) leitores assíduos deste “cantinho motorizado”.

Dizendo de outra forma, dada a alteração de calendário do evento, algo que já aqui mencionei, foi uma excelente forma de começar o ano!
Muito obrigado a todos na organização como a todos os companheiros deste fim-de-semana em que muito aprendi.

Agora só tenho um problema, a vontade é ainda maior!…

Anúncios
17
Jan
10

À procura de uma estrela

Foi um fim-de-semana inesquecível.
Para um maçarico destas coisas, que nem num carro de competição tinha alguma vez entrado, penso que a prestação até nem foi má de todo.
É hoje que este blog se torna mais pessoal, pois é hoje que aparece pela primeira vez a minha cara aqui, mas dadas as circunstâncias, não poderia deixar de postar… (nesta foto com o Miguel Nunes a “co-piloto”)

Mas, vamos por partes:

O ambiente
A equipa Tomiauto/Total/Santander Totta montou novamente uma iniciativa com excelentes características, onde o retorno para todas as partes é evidente, mas para além disso, os organizadores – Miguel e António Nunes, Vitor Calado e os sempre incansáveis Nuno e Ângelo Abreu do ralismadeira.com – fizeram tudo, desde o briefing de sexta-feira, para criar um ambiente de competição com respeito, “saudável” e – muito importante, especialmente para quem começa nestas “andanças” – de aprendizagem.
Por tudo isso, faço questão de ter nestas fotos a imagem dos patrocinadores da equipa (embora seja verdade que ainda não foram divulgados oficialmente os parceiros para 2010), tal como fiz questão de vestir a camisola (literalmente) do kit fã 100% pela mesma razão.

Os concorrentes
Estou à espera dos dados “oficiais”, mas seguramente que houve alguns 20 concorrentes, sendo que a maioria fez mais que uma sessão de qualificação. Muitos com experiência de karts, outros já com algumas experiências pontuais com carros de competição e todos com um grande gosto pelas corridas, o que fez com que os tempos estivessem sempre a descer, até ao fecho das sessões de qualificação no Sábado, mas também no Domingo. Um conjunto muito muito forte.
Hoje, domingo, na semi-final penso que a maioria baixou os tempos de Sábado e na final entre os dois primeiros houve uma diferença de 3 décimos de segundo (!).

O carro
O Toyota Starlet foi uma excelente surpresa. Como já disse sigo estes carros desde que cá chegaram e acompanhando a sua evolução a minha ideia era sempre que não era um carro especialmente divertido nem muito rápido, pois o andamento não parecia nada de extraordinário.
Não podia estar mais enganado…
O pequeno Toyota, despido de tudo o que é possível, é um carro muito leve. O motor, mesmo sem alterações de maior, acoplado ao diferencial reduzido e autoblocante, mais as suspensões, barra anti-aproximação e outros itens do kit do troféu tornam-no num “carrinho” seguro, muito divertido e bastante rápido (mesmo este carro que não é dos mais evoluídos que por cá andam), especialmente no traçado do kartodromo do Faial.

Incidências
Também houve.
Umas curvas em drift (poucas, e principalmente do Miguel Nunes no fim do concurso, com o pessoal da RTP, programa Irreverência a co-pilotos).
Também houve alguns toques em pneus e uma saída mais preocupante, que resultou em algumas “modificações” estéticas no Starlet, mas sem passar disso, o que não comprometeu a continuação do evento, nem a prestação do piloto em questão que veio a ser sempre um dos melhores até quase à final.

A minha prestação… no post seguinte.

16
Jan
10

100% fã!

Estou mais fã de toda a envolvência da equipa Tomiauto e mais ainda dos ralis.
Tive hoje a melhor experiência motorizada até à data.
Mais detalhes para depois…

🙂

15
Jan
10

Nunca mais é Sábado (2)…

Mais ou menos o que me espera, este Sábado.

Mais aqui, aqui e aqui.

11
Dez
09

Baptismo de competição (2)

O carro do meu baptismo de competição será, nem mais nem menos, um TOYOTA Starlet Cup EP91 1300 c.c., 16v (4E-FE), preparado, julgo eu, com o o kit originário dos troféus Starlet.

Apesar de já estarem vários Starlet na Madeira há alguns anos, estes carros continuam a ser um bom veículo para iniciação nos ralis. A Toyota, na Madeira, através da representação oficial União Comercial, apoiou o troféu original (já não sei o ano), e daí para cá foram sempre surgindo todos os anos, naturalmente cada vez menos, pois muitos dos pilotos foram evoluindo, mas na maioria dos anos com competição organizada, vulgo promoção monomarca (ou monomodelo…).

Mas não custa lembrar alguns nomes que passaram pelo volante destes carros como o Duarte Abreu (que foi o impulsionador da vinda dos Starlet para a Madeira – e que venceu o primeiro trofeu), Pedro Mendes Gomes, Filipe Pires, Élvio Caires, entre muitos outros que estamos habituados ainda a ver no panorama automobilístico regional.

Eu, Toyotista confesso (não tivesse eu dois Toyotas em casa), apesar de reconhecer algum cinzentismo nas propostas dos últimos anos da marca, sou grande adepto dos modelos da marca nipónica tanto pelas qualidades de durabilidade e fiabilidade que todos reconhecemos à Toyota, como pela simplicidade e conforto (inicialmente inesperado pois não tinha grande conhecimento da marca) que me dão todos os dias, como ainda pelas capacidades dos seus modelos desportivos e pelas glórias que sempre tiveram num meio da minha eleição, o automobilismo, e especialmente nos ralis.

Este Starlet é um pequeno pingo no grande oceano que é a Toyota nos ralis, mas será para mim motivo de orgulho cumprir uma iniciação sentado ao seu volante, independentemente do resultado, como é óbvio, pois sei que irei “competir” com pessoas que já o conduziram e provavelmente muitos terão mais experiência desportiva que eu.
Mas vou pelo gozo pessoal, pela camaradagem que de certeza se construirá neste evento e porque é uma realidade da qual pretendo, há muito, me aproximar.
Mal posso esperar, como me parece ser óbvio.

Todas as imagens e vídeos são do vencedor da primeira iniciativa “à procura de uma estrela” da equipa Tomiauto Total Santander Totta, nos dois ralis que fez, precisamente como prémio da sua prestação nas eliminatórias. (fotos do www.ralismadeira.com)

Em vídeo no rali do Nacional 2009.

e no rali do Faial 2009:

02
Mar
08

KIP – finalmente ao sol! (3)

Ok, Ricardo… os tempos!! (private joke 🙂 )

Depois de ter ficado em segundo na qualificação, com 1:08.265 (o primeiro fez, com os seus 65Kg, 1:08.250), fiz apenas o terceiro melhor tempo na prova (e não melhorando muito) com 1:08:111. O “senhor” Ricardo fez o melhor tempo da prova – 1:07.922 – e só não ficou melhor classificado por, num grande gesto de fair play, depois de ter dado “a grande cacetada” ter saído do kart para ver como o colega estava. Ele que vinha em quarto lugar sempre a fazer tempos nos 4 primeiros.

1mar.jpg

A maioria dos meus tempos foi “no pódio” relativamente aos tempos dos outros na mesma volta. Depois tive também dois 4ºs, um 5º e um 9º lugar já quando estava preocupado com o que se estava a passar depois do toque.

tempos1.jpg

Não tive nem de perto a melhor média (mesmo só nas voltas boas) de todas as voltas, mas fui perdendo algum tempo com “dobragens” e com o grupo da frente que me estava sempre “a chatear”. 🙂

1mar1.jpg

Resumindo, para ser sincero, é bom ganhar, manter-se na liderança durante bastante tempo, andar a defender a posição, perder e voltar a ganhar a posição e dá a sua “pica”, mas é preciso andar sempre, sempre direitinho.
Mas o que realmente tem mais piada andar a se divertir com os slides e experimentar as pequenas forças G com os karts.

02
Mar
08

KIP – finalmente ao sol! (2)

Desportivamente falando, por mim foi uma experiência nova… ter ganho.
A grande maioria das pessoas do grupo não era muito experiente mas havia alguns que já têm alguma experiência (Eu já andei algumas vezes em karts de aluguer, mas mesmo assim não considero que tenha muita experiência).
Para começar, correu-me bem a “qualificação”.
Tinha muitas saudades de conduzir um kart em seco e para além de me estar a saber mesmo bem, hoje apostei-me em correr para os tempos. Habitualmente costumo passar o tempo a “avacalhar”, provocando o kart para fazer slides e travagens bem no limite, mas hoje, talvez por me sentir no grupo de pessoas mais ao meu alcance que alguma vez andei, resolvi mesmo andar direitinho, aproveitar o espaço da pista ao máximo, ir conhecendo cada vez mais a forma de tirar a melhor trajectória, evitar travagens, aproveitar o balanço do kart apenas em descompressão.
O segundo lugar da grelha foi a recompensa e diga-se de passagem que 15 centésimas de segundo para um tipo de 65Kg (eu tenho quase mais 20Kg… e isso nota-se bastante com estes karts de aluguer) não é nada. 🙂

Em prova, e com a mesma postura, consegui chegar facilmente ao primeiro lugar (se bem me lembro, na quarta curva) onde fiquei a maior parte do tempo. Fui bastante pressionado logo no início, mas quando começamos a “dobrar” os mais lentos tive talvez mais sorte e fiquei algum tempo mais folgado.
Na frente éramos um grupo de três. Eu e os dois magrinhos de quem mais esperava em todo o grupo. Eles dizem que me deixaram ficar à frente, mas durante a prova ainda me passaram mais que uma vez e pareceu-me que quando voltei a passar não foi propriamente facilitismo. 😛
Durante o tempo que estive em segundo travei bastantes vezes para não bater, pois estava a conseguir ir mais rápido em algumas zonas, no entanto, enquanto andei na frente levei muitos toques…

A secção da pista entre as curvas junto ao início das boxes, até às 4 curvas depois da recta da meta era onde ganhava mais tempo (embora na recta não ganhava nada…).

Infelizmente, nesse grupo de 3, que já se tinha transformado em 4, a duas voltas do final, depois de uma travagem minha – como vínhamos todos muito rápido – houve um colega que levou uma grande, mesmo grande “cacetada” de lado, com direito a enfermaria e tudo… espero que as dores sejam só musculares mesmo. Ainda não sei bem como está.

Com esse toque fiquei definitivamente em primeiro e sem mais incómodos até ao fim.
trofeu

Foi uma tarde muito bem passada e aceito qualquer convite/desafio para andar de kart (inclusive no Bombarral, onde “os magrinhos” conhecem as curvas todas de cor, não me importo 😀 ), mas organizar, não me parece que o volte a fazer.