Arquivo de Fevereiro, 2007

24
Fev
07

Seat Leon FR 1.9TDI

É apenas justo que faça a pequena homenagem de começar a descrever as minhas experiências de condução com um Seat, já que lhes “roubei” a frase.

Leon

Já não sei precisar a data, mas guiei o Seat Leon FR da primeira geração, a versão 1.9TDI com 150Cv, num test-drive em meados de 2004.
É uma verdade que a minha experiência total ainda não é muito grande, pelo que este carro é, ainda hoje, um dos melhores que já conduzi. O carro era novinho, preto, e na altura, com os seus 150cv era dos carros a diesel da gama C mais potentes.
Super-confortável, e não tão exíguo quanto um A3 por exemplo, logo à primeira vista achei que os interiores eram bastante acolhedores e os bancos desportivos em pele davam um apoio espectacular.
Em termos de condução, a primeira coisa que pude destacar foi a suavidade e entrega do motor (ao contrário do que sempre lia sobre estes motores de que em baixas rotações eram barulhentos e pouco vivos) enquanto andava em primeira e segunda para sair do parque do Kartodromo de Palmela (onde estávamos) – muito devagar.
Andei talvez uns 5 km’s em dois sentidos, numa estrada nacional.
Quando o meu “pendura” da Seat me disse para acelerar um pouco numa recta estavamos em terceira a andar devagar. Foi num ápice que atingimos os 150km/h. Tem sempre um rolamento super-confortável, e apesar de não ter dado para testar de forma a perceber o comportamento do carro, deu para perceber que também não se envergonha nas curvas. Trava também muito bem.

Ainda hoje em dia gosto muito do aspecto deste carro (do FR, mas também do Cupra) e a minha experiência só me dá vontade de experimentar o Leon da actual geração, também ele muito interessante visualmente, a nível de motores e chassis (tudo mais apurado, claro está…).

Foto: http://www.autointell.com

Anúncios
24
Fev
07

Auto emócion… primeiro post.

Nomeei este blog num plágio descarado à “tag line” publicitária da Seat – Auto emócion – porque desde que ouvi/vi essa expressão identifiquei-me com ela.

O mundo automóvel fascina-me em vários aspectos e é mesmo capaz de transmitir emoção.
Estranho? Talvez não.
Nos desportos motorizados sente-se adrenalina, competitividade, vitória, derrota…
No quotidiano automóvel também se pode sentir muito… cansaço, susto, alegria (quando o carro o permite :)), tristeza (quando o carro não ajuda)…
Porquê que, por vezes, gostamos de carros que não fazem sentido, não têm argumentos suficientes perante outros, mas simplesmente, para nós, representam um desejo ou… uma emoção?

Eu tenho uma resposta: Auto emócion.